18 de novembro de 2009

Criado-mudo

Ao lado da cama não pode faltar um apoio, madeira, mesa, muda, o criado.

Porque quando vamos dormir nunca vamos sozinhos, nunca de mãos abanando. Sempre carregamos sonhos, fados, medos, esperanças, lembranças... E temos que repousá-los em algum lugar.

Um lugar perto, reto, quieto, mudo... Que não mude durante a noite e nos devolva tudo pela manhã, sem falar nada... Completamente mudo.

9 comentários:

Carlos Augusto Matos disse...

Interessante o que vc postou... Muito mesmo, e sabe gostei da essência do seu blog, me cultivou a entrar aqui, e vai me cultivar a entrar sempre, pois vou virar seu seguidor...

Se tiver um tempo, entra no meu pois estou divulgando-o...Se gostar, me segue, por favor...

http://visaopoetica84.blogspot.com/

Anônimo disse...

Gosto muito dos teus textos...parabéns. Já falei isso mas vou repetir: espero um dia comprar um livro seu. Bj Clarasc05

Rafinha disse...

Bruna ,como sempre arrasando!
Adoro suas crônicas!
a ideia do livro é uma boa eu ia adorar...adoro esse tipo de texto!


fica bem!

bjs!

karen Sheila disse...

Ah...então é por isso q de manhã cedo nunca encontro minhas coisas, meu óculos,meu pompom de cabelo,meus brincos, sabe porq? falta o criado mudooo, o meu tomou doril e sumiu!kakakak

Sorry brunildaaaaaaaaa, eu vim só para falar besteiras, vou falar sério agora...

Brunildaaaaaaa vou guardar todos seus post e um dia, quando vc nem lembrar vou publicar, ai a gente divide a grana tá, pork eles tão a cada dia "mais melhor" kakakakak Tentei falar sério mais não consegui, lembra da TPM?heheheh to igual uma hiena agora.

bjkas na pontinha do narizzz

Anônimo disse...

Bruna:

O que mais desejo é que quando acorde nunca esqueça seus sonhos, fados e esperanças na cabeceira de sua cama, carregue-os dentro de sua alma, pois será o antídoto dos pesadelos diários.

Força, minha linda e não esmoreça.

Quem disse que seria fácil?

Beijos
Lourdes

Anônimo disse...

Fazia tempo que eu não aparecia por aqui, e lendo o texto, fiquei pensando que serve para várias situações e pessoas... Mas é sempre assim, quem realmente precisa ler e compreender nunca pára para refletir sobre um texto assim. Bruna, sabe qual foi a primeira coisa que lembrei quando li o título “criado-mundo”? De um texto que li essa semana. Fiquei pensando onde e em quem nós seres humanos repousamos nossas alegrias e frustrações. Chamou-me atenção um trecho desse texto, o “Sermão da Quinta-feira da Quaresma”, do Padre Antonio Vieira, escrito em mil seiscentos e alguma coisa. Fala sobre cegueira... e me impressionou-me pela atualidade:

“As paixões do coração humano, como as divide e enumera Aristóteles, são onze, mas todas elas se reduzem a duas capitais: amor e ódio. E estes dois afetos cegos são os dois pólos em que se revolve o mundo. Eles são os que pesam os merecimentos, eles os que qualificam as ações, eles os que avaliam as prendas, eles os que repartem as fortunas. Eles são os que enfeitam, ou descompõem; eles os que fazem, eu aniquilam; eles os que pintam ou despintam os objetos, dando e tirando a seu arbítrio a cor, a figura, a medida, e ainda o mesmo ser e substância, sem outra distinção ou juízo, que aborrecer ou amar. Se os olhos vêem com amor, o corvo é branco: se com ódio, o cisne é negro; se com amor, o demônio é formoso: se com ódio, o anjo é feio; se com amor, o pigmeu é gigante: se com ódio, o gigante é pigmeu; se com amor, o que não é tem ser: se com ódio, o que tem ser é bem que seja, não é nem será jamais. Por isso se vêem, com perpétuo clamor da justiça, os indignos levantados e as dignidades abatidas; os talentos ociosos, e as incapacidades com mando, a ignorância graduada, e a ciência sem honra; a fraqueza com bastão, e o valor posto a um canto; o vício sobre os altares, e a virtude sem culto; os milagres acusados, e os milagrosos réus. Pode haver maior violência da razão? Pode haver maior escândalo da natureza? Pode haver maior perdição da república? Pois tudo isto é o que faz e desfaz a paixão dos olhos humanos...”.

Por que às vezes transformamos pigmeus em gigantes, quando tantas vezes deveríamos era transformar gigantes em pigmeus? Meu Deus, por que se vemos com amor o demônio é formoso e o corvo é branco? E o contrário também, por que algumas pessoas insistem que o anjo é feio e o cisne é negro? Affff... É de fato uma violência da razão! Pois é, acho que é porque muitos não têm “criado-mudo”, e quem tem, repousa sobre ele tudo, menos o que realmente deveria estar ali, ao alcance das mãos...

Enquanto escrevo já é sábado, meu niver, e vou deitar daqui a pouco pensando cuidadosamente no que eu estou carregando para o meu criado-mudo... Que graças a Deus é completamente mudo.

Abraços carinhosos
Isabel

Anônimo disse...

Um amigo, sempre presente, para quem está na cama ao lado........

Um sorriso !!!!!!

Ane-RJ

karen Sheila disse...

Post novoooooooo

Post novooooooo

Post novoooooooooo


A torcida do mengãoooooo grita no maracanãaaaaa:

post novoooooooo!!!!!!!!!!

bjkas na pontinha do nariz

Lua disse...

Bruna...

É isso mesmo...melhor soltar a voz e gritar bastante para comemorarmos a vitória...